SOU SERTANEJO DE VALOR


Sou da terra do repentista
do ventre imortal da poesia
por lá contam se a magia
de outros filhos da poesia
Zé catota
Antonio Marinho
Louro do Pajeú
Cancão,
grandes poetas do sertão.

Sou terra seca
Cabeça chata
Meu café era uma garapa
O povo é uma beleza
Acredita na esperança
E na confiança
De um amanhã chuvoso no sertão.

Sou terra do cariri
Do ralo
Ralando o milho
Mungunzá, farinha de milho
E a alegria de um pai está
No sorriso do seu filho.

Sou da terra da cantoria
Sem soberba
Com valentia
De vencer todo dia
O labor da vida.

Sou da terra de caboclo sonhador
Que peregrina em outras cidades
 Em busca de uma felicidade
No amor
Na amizade
 Na serventia do dia a dia.
  
Sou do sertão do pajeú
filho de lavadeira
Filho de agricultor
Neto de poeta
Aprendiz do amor.

Sou sertanejo de valor.


(Ivanderlan Siqueira)

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

ROUBA BANDEIRA